4

Sortidos

E o bloguinho jah rende seus frutos, literalmente. Chegou pelo Fedex outro dia uma caixa com varias roupinhas de nene e clandestinamente embrulhadas entre elas...varias goiabas vermelhas!Foi uma amiga brasileira q mora em Los Angeles, compadecida do meu sofrimento publicamente demonstrado...alegria impar!

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

E rende tambem discussoes. Esse mundo exigente de hoje em dia...
Eu jah achando uma proeza ter um blog, vem o amigo, os irmaos e o marido falar q nao basta ter um blog, tem q ter um blog divertido, com dicas, atracoes, entretenimento, q eh pra manter o interesse dos leitores...eu, hein?! Soh falta quererem contar o Ibope...
Mas soh pra nao dizer q eu nao atendi as sugestoes (nem q seja por uma unica vez), vai um link de um video hilario, indicado pelo proprio irmao, de alguem q realmente nao deve ter nada pra fazer da vida (pq alguem q tem tempo pra assitir esses videos e ainda escrever blog tem muito o q fazer da vida...q fique claro!) :
http://www.youtube.com/watch?v=5AWIY2ah6aw - mas soh pq Orff eh minha metodologia de ensino preferida.
Mas para quem quiser diversao, sugiro o multiply do Dada, meu irmaozinho lindo, pq esse sim sabe achar as coisas divertidas.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

De todas as coisas do Brasil das quais tenho saudade, uma delas, definitivamente, NÃO é a boa vontade e gentileza dos funcionários públicos (exceto minhas cunhadas, todas funcionarias publicas em Brasilia, e mesmo assim uma simpatia...eh claro! - Pq eu nao sou doida nem nada)
No consulado brasileiro na Sexta passada para tirar o passaporte do pequerrucho:
eu: - aqui estão os documentos
fp (de funcionário público... o q é isso minha gente, isso aqui é um blog de família!): - vc trouxe a certidão de casamento?
eu: - mas na lista q VOCÊ me deu semana passada, nao constava certidão de casamento
fp (com aquele bom humor e alegria característicos):- é q eu preciso ver o nome dos avós
eu: - mas o nome dos avós vc pode ver nos passaportes, meu e do meu marido.
fp:- mas eu prefiro a certidão de casamento!
eu: - aaa, vc prefere? Bom, mas como não tinha na lista serve o passaporte mesmo, certo?
fp: - não, eu quero a certidão. E está na minha hora de almoço, então vc me manda por fax...
eu (já sem esperança, nem paciência, querendo dar um soco no sujeito mas com um vidro entre nós me impedindo do feito): - não tenho fax, posso escanear e mandar por email.
fp: - não, eu prefiro fax, tá aqui o número. - Vira as costas e sai.

Sim, pq foi exatamente o q eu fui fazer no consulado brasileiro, tomar conhecimento das prefencias do cidadao...fala serio!

(paragrafo excepcionalmente acentuado pq foi digitado no computador do marido, pra matar a saudade dos acentos e cedilhas...jah passou)

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Ontem foi a primeira festa de aniversario para a qual o Zack foi convidado, mocinho chique...unica frustracao: nenhum brigadeiro, nem pra remedio. Bom, bom, ele nao se importou muito com isso, cantou parabens em frances e divertiu-se ao maximo, como todos os outros bebezinhos presentes na festa (isto eh; dormiu, mamou, chorou - essas coisas que eles soh fazem mesmo em festas de aniversario).
Os pontos altos da festa:

1- A lembrancinha : 2 patinhos de banho de borracha - foi realmente a unica coisa aproveitada pelo convidado em si. Que banho q nada, os patinhos foram pra boca, como tudo que se aproxima de um perimetro de 5 cm da boca do nene ultimamente - hummm, delicia! E o dedo da mamae foi poupado por alguns minutos. Ah sim, ele nao gosta de chupeta, afinal de contas, quem precisa de chupeta com tantos dedos (e agora patos) a disposicao?
1- Todos os 'convidados', a maioria ainda nao capaz de sentar sozinho, posando pra foto no sofa, de chapeuzinho e tudo. De um lado da camera, varios bebezinhos caindo pro lado, sem entender nada. Do outro, varios pais abestalhados fazendo de tudo para arrancar sorrisos, e soh conseguindo choros (pq bebezinhos sorriem a toda hora, exceto naquela que vc quer tirar uma foto).

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Tem q deitar na cama, prender a respiracao e nao comer nada durante o dia inteiro, mas "apenas" 4 meses apos o parto, mais uma calca "pre-gravidez" volta a servir. Ha quem seja mais sortuda e saia do hospital jah usando um top, para as menos privilegiadas (ou mais, tudo depende do ponto de vista), 4 meses e 2 calcas que servem jah eh um grande avanco, principalmente quando a temperatura por aqui vai indo em direcao ao abismo e as calcas de malha com elastico jah protegem do frio tanto quanto a peneira protege do sol. Agora, se as banhinhas (depois de tantos meses com elas jah ateh peguei carinho) saltando por cima da calca ficam incognitas por baixo dos mil casacos, em Dezembro no Brasil, nao vai da pra tampar o sol com a peneira...melhor comecar a ginastica e o regime. Que sorte a minha, amanha eh segunda feira!
7

Na aula de Frances

Antes de escrever sobre a aula de frances do titulo, tenho q mencionar, pq ele merece: estava aqui no computador apos chegar da tal aula de frances e o bebezinho inquieto e saudoso, implorando por uma banho (mexe perninhas + mexe bracinhos+reclama um pouquinho + sao 21h = hora do banho), mas a mae q viciou na coisa do blog queria muito escrever, coloca o bebezinho agoniado no sofa e pede gentilmente: espera soh um pouquinho pra mamae escrever...por favor? - Ao que o bebe prontamente atende...e esta lah, quietinho ateh agora - sendo assim, por merito, a mae vai escrever soh este paragrafo e voltar mais tarde, depois da trilogia banho-historinha-mil cancoes de ninar, pra escrever sobre a aula de frances.

Missao cumprida, e mencao honrosa novamente pro nene que dormiu com a marca recorde de apenas 1 cancao de ninar! Sendo assim, mamae escreve...

Entao, estou fazendo aula de frances pela terceira vez desde que cheguei aqui...as outras todas foram interrompidas precocemente, uma pela pessima qualidade do curso (gratuito, em escola publica, se de graca a gente ateh pega onibus errado - de acordo com uma amiga minha - curso ruim nao dah...ruim por ruim, eh melhor assistir TV) outra pela necessidade mais urgente de melhorar o ingles, eita dureza essa coisa de tentar ser poliglota. Jah este de agora nao pode ser interrompido, jah q se eu nao passar em um exame com data ainda indefinida, eu nao posso mais ganhar a bolsa de estudos, porque nao vou poder renovar minha licensa de trabalho, nem ser TO por aqui...eh como diz outra amiga, rapadura eh doce, mas nao eh mole nao (ou seja, aqui bolsa de estudo eh melhor do que salario de TO no Brasil, mas para conseguir, e permanecer com uma... jah sao outros quinhentos... e chega de dizeres populares por hoje...)

Mas o fato interessante eh q qdo a gente faz um curso de linguas no Brasil, todos os colegas de turma sao tambem brasileiros, em geral. As origens podem ateh diferir, mas todo mundo nasceu na terrinha. Jah aqui, em um curso de linguas, e na maioria dos lugares pra falar a verdade, vc encontra de tudo, menos um canadense. Tirando meu marido, q eh o canadense mais baiano que jah se viu, canadense nao faz curso de linguas, ateh porque eles aprendem as duas linguas oficiais na escola (no caso dos canadenses aqui de quebec, o ingles eh um tanto quanto duvidoso, mas enfim...). E eh ai q o curso de frances vira a volta ao mundo em 10 semanas, pague pelo frances e de brinde, conheca culturas e comportamentos de povos que vc nem lembrava que existiam.

A razao eh ateh bem simples, a imigracao aqui eh um fenomeno recente. Diferente do Brasil, ninguem eh neto, bisneto de imigrantes, mas sim, o proprio imigrante (vide eu!). Na minha classe dessa vez tem 4 iranianos (incluindo o professor, diga-se de passagem), 1 romeno, 1 filipina/chinesa e 2 chineses, chineses mesmo, e eu, brasileira, embora ninguem acredite. Olha o desaforo, eu que sempre fiz o papel da japonesa em todas as pecinhas da escola, agora tenho q passar pelas nacionalidades mais variadas; filipina, chinesa, boliviana, vietnamita... e encarar os ohares mais descrentes quando faco a grande revelacao: eu sou brasileira! E ai vem toda a explicacao da historia da imigracao no Brasil, e que por isso, nem todos os brasileiros sao iguais ao Ronaldinho, ou ao Pele, ou as mulatas da Sapucai (a sim, e nem todos sabem sambar ou jogar futebol, vide eu novamente!), a sim, e apesar da origem japonesa, eu nao falo japones (nem espanhol, a lingua oficial do Brasil, como todos sabem)

E como as pessoas se unem quando fora de seu pais natal, eu faco dupla sempre com a filipina/chinesa que na verdade nasceu em Ontario (olha eu me contradizendo, mas ele eh excessao), mas esta com sua licensa de enfermeira suspensa ateh passar na mesma prova de frances. Os iranianos tambem se agrupam e um deles jura de peh junto q eu e a filipina/chinesa somos gemeas, ele nunca sabe quando uma de nos faltou na aula. Eles tambem acham que sao muito superiores porque falam persa (nao se trata de preconceito meu, eles realmente me disseram isso), entao nao se atrevem a fazer grupo com 'nao iranianos'. O professor ateh simpatiza com a causa dos menos dotados e faz questao de explicar tudo bem de perto; oportunidade esta q eu negaria prontamente se tivesse a chance, jah q o sujeito realmente nao toma banho, nem escova os dentes, mas eh um bom professor... fazer o que? Pensei em dar um sabonete e pasta de dente e dizer q era habito no Brasil dar isto para os professores, mas como eu sou filipina...
Os chineses coitadinhos, uma fonte de simpatia, sao os unicos que sabem conjugar todos os verbos (grande merito, jah q a conujgacao em frances eh um misterio ateh para os franceses), mas na hora de falar a coisa complica...e eles soh ficam rindo e olhando o dicionario, chega doi o coracao.
Sobre o romeno nao tenho nada a declarar, nunca ouvi a voz dele, ou eh timido, ou eh mudo.

Mas eh assim que a gente acaba aprendendo mais na aula de frances do que assistindo Discovery Channel, e com sorte, acaba aprendendo uma palavrinha ou outra de linguas de paises que, ao nao ser que viremos milhonarios excentricos, possivelmente nunca vamos visitar.
Aos interessados, uma palavrinha: Khodahapez (tchau em persa), e outra: Sigui (tchau em Tagalo - a lingua das Filipinas, minha nova terra natal)

Jah para aprender o frances, a aula nao eh suficiente...fiquem com ' Au revoir' e se deem por satisfeitos ;-)
3

a.B / d.B

Nao eh a toa q a historia do mundo foi divida em 2 por um bebe. Eh claro q o tal bebe tambem nasceria para salvar a humanidade, mas um bebe por si soh, eh um divisor de aguas, isso nao eh novidade.

Aqui em casa a vida nao eh mais a mesma ha precisos 4 meses e 2 dias. Eventos e conceitos que mudaram de antes para depois do Bebe

Sair por um dia inteiro para um congresso (sem o bebe):
a.B - Levantar correndo, jah atrasada pq tinha esquecido que tinha que sair cedo, pegar alguma coisa pra comer no caminho e rua!
d.B - Uma semana antes: Comecar a estocar leite (o meu, nao o da vaca, o que atualmente jah eh quase um sinonimo) , checar repetidamente o cronograma "quem cuida do bebe a que hora" com a mae e o marido
na noite anterior: arrumar a 'ordenha eletrica' e acomodar em alguma bolsa grande o suficiente pra caber o aparelho mas nao tao grande para que pensem q vc foi de mudanca para o congresso
na manha do evento: acordar 2 horas antes do que gostaria, acordar o bebe pra dar uma ultima mamadinha, ir ateh a porta da rua e voltar umas 3 vezes pra dar mais um tchauzinho, mais um bjinho e assegurar o bebe (que jah dorme tranquilamente de novo) que a mamae soh vai mesmo pq eh extremamente necessario, que ela volta, que nao vai abandona-lo (o sono profundo demonstra que ele realmente estava muito preocupado com isso)
durante o congresso: ligar pra casa a cada intervalo para ter certeza q tudo vai vai bem (e ouvir - sim, ta tudo bem - jah disse q ta tudo bem - eh claro q esta bem! - Acha q eu nao sei cuidar do meu proprio filho?!) , encontrar um cantinho escondido com uma tomada (parece simples qdo vc esta em casa, mas nao eh nada simples fora dela) pra tirar leite e sentir-se mega culpada por jogar o leite na pia qdo devia estar dando para o seu bebezinho, que feliz da vida mama na mamadeira ( E se ele nao quiser mais o peito? E se crescer traumatizado pq a mae nao deu peito durante um dia inteirinho? E as maes na Africa que nao tem leite para dar para os filhos? E outros tantos "E se" super pertinententes), ficar olhando a foto do bebe durante metade das conferencias (e mostrando para quem quer que esteja ao seu lado, conhecido ou nao) e contando os minutos para estar em casa de volta.
de volta em casa a noite: esperar encontrar a casa em pane, um bebe tao devastado e morto de saudade quanto a mae, um pai desesperado, e ao inves disso encontrar a casa do jeitinho q vc deixou (ha longas 12 horas), um pai feliz da vida pq brincou ateh cansar com o pequerrucho (nossa, ta ai uma palavra que eu nunca tinha escrito antes), um bebe todo prosa que te sauda sorridente, sem trauma nem tristeza, sentindo tanto sua ausencia quanto as maes na Africa...

Sair de casa por um dia inteiro (com o bebe):
a.B - Pegar sua bolsa e pronto
d.B - Separar inumeras fraldas, lencinhos umedecidos (mesmo contrariando a recomendacao da enfermeira de nao usa-los... fala serio, tem coisa mais pratica no mundo?), paninho de boca, brinquedinho de morder, 2 ou 3 trocas de roupa, mantinha, bercinho portatil, o pacotinho de inverno e mais alguns 2324 acessorios...com sorte, a gente ateh lembra de pegar tambem o bebe

Acordar de manha:
a.B - olhar para o lado, ouvir uma musica mal sintonizada no despertador, olhar para o mesmo sem enxergar direito que horas sao, mas tendo certeza que precisava de mais umas 3 horas de sono, no minimo, e pensar que quem inventou essa historia de acordar cedo, boa pessoa nao era
d.B - olhar para o lado, ouvir uma vozinha gostosa falando uma lingua estranha, olhar para a fonte da voz e ver um sorriso lindo, que mexe bracinhos e perninhas freneticamente ao notar que vc acordou, e pensar que enfim, existe uma boa razao pra acordar, mesmo apos uma noite mal dormida...

Observacoes da vida alheia:
a.B - ver cca fazendo birra e jurar: meu filho nunca vai fazer isso; medir de alto a baixo maes 'que nao voltaram a sua forma original' e pensar : qdo eu tiver meu filho nao vou ficar assim,
d.B - ter certeza que tudo eh relativo... ta olhando o que?

Amor:
a.B - A gente pensa que sabe o q eh isso
d.B - Sem entender como vc consegue amar tanto uma criaturinha que soh surgiu ha 4 meses a gente acaba entendendo o tamanho do amor de Deus - dar um filho por alguem que nem liga pra vc... sei nao...
8

A mae que eu quero ser

Tem uma musica do Vinicius na qual ele fala do filho que ele quer ter, que conta um pouco das expectativas e do curso da vida que se estabelece entre pensar em ter um filho, te-lo, e finalmente ser ninado por ele "num acalanto de adeus".

Fora todas as lagrimas que esta musica me arrancou durante a gravidez enquanto eu passava as roupinhas do Zack (pela primeira e ultima vez), ela tambem me fez pensar que talvez muito "do filho que eu quero ter" tem a ver com "a mae que eu quero ser". No fundo, no fundo (e as vezes nem tao fundo assim), a gente tem filhos com objetivos variados que passam do afetivo: "concretizar a expressao do amor entre dois seres e formar uma familia" ao heroico: "fazer um mundo melhor criando um cidadao consciente e honrado" passando pelo demografico: " a populacao esta envelhecendo e precisa de criancas", pelo obediente :" crescei e multiplicai", chegando ao pratico: " ter alguem pra cuidar de mim quando eu envelhecer".

Tantos objetivos e uma soh crianca eh trabalho pra Hercules nenhum botar defeito (nao eh a toa que o pessoal das antigas tinha 12 ou mais), e eh ai que o peso de ser a mae ideal vem tao forte quanto os versos do Vinicius - A realidade por sua vez, nem sempre eh tao poetica.

A " mae que eu queria ser" tinha uma dieta balanceada, fazia todas as receitas do livro de receitas vegetarianas pra ter o leitinho perfeito e forte que garantiria a prole inteligencia, forca e bochechas rosadas, igualzinho no comercial. A mae que eu sou come o que da tempo de fazer e ainda ataca no meio da madrugada (quando a tal da mae esta tentando estudar, enquanto a tal da prole dorme) um pote de chocolates trazidos do Brasil ( Concorrencia desleal, a "mae que eu queria ser" nao tinha esse problema, jah que tinha sua rotina perfeitamente organizada e nao precisava fazer nada de madrugada e as 9 da noite jah estava na cama) - e o livro ainda fica empoeirado na prateleira jah que a "mae que eu sou" tambem nao consegue ter tempo de tirar o poh da casa.

A " mae que eu queria ser" tinha a cada dia um jogo diferente pra brincar com seu pimpolho, apropriado para sua faixa etaria e estimulando todos as esferas do desenvolvimento. A "mae que eu sou" jah esgotou seu repertorio em menos de 4 meses, e confessa (nao com orgulho, se isso serve de defesa) que jah deixou seu nenezinho assistindo televisao em um momento de desespero total (por ideia do pai, se isso serve de desculpa).

A "mae que eu queria ser" nao ia dar nunca chupeta ao filho (e ainda brigava com quem falasse que ela ia acabar dando), nao ia dar mamadeira antes dos 4 meses (e para isso nao ai abandonar o bebezinho em casa nem por um minuto, com quem quer que fosse), nao ia comprar brinquedos a pilha (desses que brincam sozinho excluindo a necessidade de um adulto por perto, e de repente ateh da propria crianca), ia criar uma rotina musical com o bebe (com a mesma musica sendo cantada pra cada coisa, e nao uma musica inventada as vezes pra algumas coisas), ia fazer massagem no bebe todo dia, ia sair todo dia pra mostrar a natureza, ia esterelizar tudo de novo caso alguma coisa caisse no chao (mesmo que fosse por menos de 7 segundos), e eh claro, ia tambem voar e ter todos os poderes magicos necessarios para manter um sorriso banguela sempre ativo.

E eh assim que a mae que eu sou fica ateh meio frustrada as vezes (talvez ateh depressiva depois de listar tudo isso) mas mesmo sem recorrer ao Lexotan a gente acaba vendo que a "mae que eu sou" eh a "mae que eu dou conta de ser" e acaba sendo em um momento ou outro (mesmo que raros) " a mae que eu queria ser - versao sem cortes".

Sorte do Vinicius que por nao ser mae, podia soh pensar no filho que ele queria ter...
5

Meia Encardida

Mudar de pais eh uma experiencia interessante, para dizer o minimo. Nao basta vc estar (por opcao, vale dizer) longe de todos e de tudo que vc chama lar, vc ainda tem que correr para se adaptar, se quiser ser feliz e nao ficar lamentando-se eternamente porque as aves que aqui gorjeiam nao gorjeiam como la.

Jah faz um ano e meio que eu tento me convencer de que tudo bem vc ir ao mercado(ou a qualquer outro lugar) e nao encontrar goiaba vermelha, de soh encontrar creme de leite em um lugar e ainda em uma latinha que pra fazer uma precisa de tres, que nem todas as sobremesas se fazem com leite moca, que brigadeiro pode sobrar em uma festa, que suco de maracuja eh agua no deserto, que banana nanica eh a unica banana que existe, e ainda se come verde, mas maca existem mais de 10 tipos, (talvez eu deveria escrever isso depois de jantar), mas enfim... O primeiro impacto pra mim aqui em Montreal nao foi no estomago, nem tao pouco na pele com o frio de -30 (mesmo porque eu cheguei em Maio e o frio soh viria em Novembro) mas o simples fato de que aqui; tira-se o sapato.

Eu que sempre gostei de andar de meia em casa (nao chegando a ser tao maniaca quanto meu irmao que anda de meia na fazenda, na praia, enfim...esta eh um outra historia), ateh hoje nao me adaptei ao fato de que, chegando em casa (nao soh na sua casa, mas em qualquer casa), vc deve, imperativamente, tirar o sapato. A explicacao reside (creio eu) primeiramente, no sal misturado com neve que faz uma meleca absoluta que vc nao quer ver espalhado por todo o chao da sua casa, e "segundamente", no fato que quem vai limpar vai ser vc (o dono da casa, no caso). Mas no final das contas, mesmo quando nao tem neve, nao tem sapato.

Eu sei que olhando de fora (mesmo porque se for de fora da casa, vc ainda vai estar calcado) parece besteira, mas esta foi uma das primeiras certezas que eu tive de que nao estava "em casa" mais. Tanto foi que a primeira vez que alguem me disse: "keep your shoes" eu quase me emocionei. Emocao a parte, sao essas besteirinhas cotidianas que te lembram constantemente que essa foi a vida que vc escolheu, e que ela nao lembra em nada a vida de outrora, mas nem por isso eh pior, eh soh diferente.

Aos poucos vc comeca a acreditar que goiaba e maracuja sao realmente frutas muito exoticas, dessas q soh existem em contos de fadas ou em caixinhas de sucos bizarros, e tirar o sapato vira habito. Por razoes obvias, vc comeca a comprar meias escuras (se nao adivinha quem tem q esfregar depois?). Talvez por resistencia, talvez para sentir-se um passo ( ou um sapato) mais perto de casa, aqui em casa, durante o verao pelo menos, nao se tira o sapato. Agora, por via das duvidas, se vc vier a Montreal, nao esqueca de passar um talquinho antes, e meia furada, nem pensar!

PS- Ah sim, caso ninguem tenha notado, esse eh um post explicativo do porque(com acento circunflexo) do nome do blog - jah q eu achei q todo mundo ia perguntar, mas ninguem perguntou (tsc, tsc, tsc, esses leitores pouco curiosos..q decepcao Denilson!)
5

haja luz

E foi assim, em um dia com todas as coisas por fazer, e nenhuma vontade de faze-las, que resolvi dar cabo a pelo menos um - dentre os outros 999 mil (em homenagem ao meu amigo Larry) - dos que chamo de "projetos inuteis" , porque de util jah basta lavar roupa (ou coloca-las na maquina), arrumar a casa, fazer comida, fazer dinheiro (nao, ainda nao tenho uma maquina), trocar fraldas e todas essas outras coisinhas...

A ideia basica eh... sei lah, nao tem nenhuma assim a priori nao, mas acho que pode ser fazer um registro das coisas que rolam nessa relativamente nova vida de Canada (morando em Montreal ha exatos 1 ano e 5 meses) e nessa definitivamente nova vida de mae (com um serzinho de 3 meses e alguns dias dormindo - nao por muito tempo - no quarto ao lado)

Inspiracoes para o feito (como se fazer um blog fosse realmente um grande feito): o blog da Flavia (Cronicas do Iglu) - que realmente merece mencao honrosa - eh bem escrito e divertido "demais da conta" (como diria a familia lah em Minas Gerais) - o qual descobri por indicacao de um amigo, que por sua vez, me disse que eu deveria fazer um blog, sendo a segunda fonte de inspiracao e por isso mesmo o primeiro a saber do presente. A terceira fonte eh a preguica mesmo (e dizem que preguica nao leva a nada...ledo engano) jah que na verdade o que eu queria fazer era um scrapbook, mas como isso requer um pouco mais de empenho, fiquemos com o blog ateh a inspiracao baixar de novo.

Notas linguisticas:
1- Aos amantes da lingua portuguesa bem escrita, o meu sincero "foi mal" - meu teclado eh frances e eu ateh hoje nao descobri como colocar acentos, cedilhas e todos estes enfeitinhos tao peculiares a nossa lingua, entao fica sendo "h" pra fazer as vezes do acento e nao vou ficar corrigindo pq se nao vou acabar nem escrevendo. Tb abrevio as palavras potencialmente "abreviaveis"
2- Eu tenho uma certa mania de escrever com parenteses (eu sempre acho que para tudo eh necessario uma explicacaozinha extra - como esta) e tracinhos - pra explicar melhor ainda - e reticencias, quando nao ha mais nada pra explicar...

Tudo explicado, vamos ver qdo eu vou conseguir escrever um segundo post...um passo de cada vez...como diriam no AA, eu jah estou ha 1 dia fazendo uma coisa q eu disse q ia fazer - Parabens Keiko!

Em tempo: Por que "Tirando o Sapato" - Resposta no proximo post - nao vamos abusar da inspiracao...