3

Todo mundo de fora!

Este foi o tema da "Festa de Neve" deste ano, um evento promovido em um grande parque da cidade todo mês de fevereiro, quando ninguém mais aguenta tanto frio e precisa desesperadamente de uma razão pra não ficar trancafiado em casa morrendo de depressão e se entupindo de chocolate quente. A música-tema enfatiza: "Vamos sair pra celebrar o inverno", certo, então vamos...

O termômotro indicava calor quando saimos de casa: -7, ideal (perto dos -20 e tantos que rolaram essa semana). Todos devidamente encapotados com várias camadas (1- calça e blusa justa / 2- calça e blusa de moleton / 3- calça e jaqueta de inverno/ 4- acessórios: cachecol, gorro, meias, luva e bota / 5- no bolso: manteiga de cacau e lencinhos pra limpar o nariz que não para de escorrer quando se está dentro da geladeira, tente em casa...), de Agasalhack só se via o olho cheio de fubá restante do almoço. Meios de transporte em mãos para o dia: trenó, carrinho, canguru - tudo dentro da van, e festa!

Estava me sentindo uma mãe meio desajuizada saindo pra brincar no parque nesse frio com um bebezinho de 7 meses. A consciência ficou leve quando ví vários, digo vários, vários mesmo, bebezinhos bem menores do que Congelack felizes da vida com suas famílias, em seus trenozinhos, embaixo de todas as camadas de roupas que não os deixam mexer os braços, nem as pernas...

Parece impensável se divertir sob tais condições mas a verdade é que foi muito, muito divertido. Na ordem do dia: escorregar em um tobogã de gelo (de frente, de costas, de barriga), andar de carrinho em uma mini cidade congelada, andar de trenó arrastados (mamãe e bebê) pelo papai, tirar fotos com personagens da festa e nas esculturas de gelo, ver vários cachorros (Observack adora observar cachorros), inclusive alguns que puxavam trenós (daqueles de filme mesmo), os pobrezinhos. Também assistimos ao show de encerramento, com um grupo divertidíssimo de músicas infantis, "Les petites tounes" (Os Tonzinhos, ou qualquer coisa do tipo. Estilo o nosso "Palavra Cantada" música de qualidade e divertida) e terminamos tudo com leitinho quentinho, pra todos.

Divagando em meus pensamentos de socióloga (que não sou, nota-se pela profundidade dos pensamentos) me diverti (deu pra ver que realmente eu me diverti, não consigo achar um sinônimo à altura) constatando alguns aspectos culturais do evento. O tal do grupo musical tem uma música que é o grande "hit" do grupo e todo mundo canta junto, a música fala sobre as aventuras que ocorrem no subsolo (Onde é que a gente se diverte sem adultos por perto? No subsolo, no subsolo. Onde é que a gente come sobremesa no sofá? No subsolo, no subsolo e por aí vai...), interessante porque as pessoas de fato tem um subsolo por aqui, coisa que não temos por aí, onde a música certamente não faria muito sentido. Além disso, obviamente em terras mais tropicais ao menor sinal de frio, criança não brinca na rua, enquanto aqui a ordem é todo mundo pra fora, e feliz.

E vamos aprendendo...

3 comentários:

deby disse...

Que coisa boa!! Passar esses momentos com a família é maravilhoso, né?
Fiz isso no fim de semana, mas com sol e piscina...hehehe
Desculpa!!
bjocas

Dani,Luiz e Annie disse...

Que bom que vc se divertiu! Nesses dias frios tem mesmo que sair um pouco. Deu até vontade de ver como é essa festinha, mas foi só vontade, já passou,rsrsrs... ainda bem que estou aqui no quentinho.
Bjinhos.

Marco Aurelio Brasil disse...

O mais curioso é saber que nessa cultura diferente as pessoas comem fubá pelos olhos. Aqui continuamos comendo pela boca mesmo. Preciso aprender mais sobre esses efeitos curiosos da hipotermia. Ontem a família Ribeiro Lima, Bernardo include, fomos a uma fotógrafa fazer um book do barrigão. Foi divertidíssimo, embora não tenha tido nada no subsolo nem tobogã. Na tua próxima visita você confere o resultado. No mais, a Tatiana está na horizontal, tomando inibina e torcendo pro Davi ficar o mais tempo possível onde está, porque ao que tudo indica ele já quer pular pro lado de cá. Besos.