4

Pelas escolas públicas brasileiras



Há uns muitos posts atrás eu tinha tido a idéia de escrever sobre um assunto "sério" e com pretensões de utilidade pública toda segunda-feira. Pessoa tão séria que sou, meu plano durou exatamente uma segunda-feira. Mas enfim, nunca é tarde pra retomar o projeto, nem que seja só por mais uma vez, já que recebi um email que vale a pena comentar e colocar na mesa.


Eu sempre estudei em escola particular. Minha mãe dava aula em uma, logo, não pagávamos mensalidade. Mas a mais assustadoras das ameaças vinha do meu pai, dizendo que se algum dia a gente tirasse nota vermelha ou repetisse de ano iríamos direto pra escola pública que ficava a dois portões da nossa casa. Acabou que passamos a vida na escola particular mesmo, pública só a faculdade, como acontece com a classe média no Brasil, mas o medo de ir pra escola pública existia porque mesmo?

Um dos meus estágios da faculdade foi em escolas públicas, implementando a inclusão escolar de crianças com necessidades educativas especiais, e aí eu entendi. As escolas públicas são muito ruins. Minha cunhada é professora da rede pública em Brasília e diz que por lá é diferente, as escolas públicas em sua maioria ainda são melhores do que as privadas. Não sei no resto do país, mas em São Paulo a coisa não é boa não. Então achei genial a idéia do Cristovam Buarque, aliás, o moço tem muitas boas idéias, acho um exemplo de político que sabe pensar na minoria (em poder) que é maioria (em massa) e em idéias que podem ser muito efetivas, principalmente para a educação.

O projeto de lei que ele apresentou (e que não sei há quantas anda) propões que todo político eleito (veradores, prefeitos, deputados, etc) sejam obrigados a colocar seus filhos em escolas públicas. A medida visa, obviamente, tocar diretamente no que todo mundo tem de mais precioso, seus filhos. E, se os políticos não pensam na educação pública de qualidade como direito do povo, então que pensem como direito dos seus filhos. Achei genial. Tomara que dê certo.

Aqui no Quebec existe um grande debate sobre público e privado, tanto para a saúde quanto para a educação. A educação pública é acessível a todos, mas minha experiência, trabalhando também com inclusão tanto em escolas públicas quanto privadas, diz que, como no Brasil, existe uma diferença enorme no nível de qualidade, mas minha experiência se restringe ao sistema anglofono, dizquem que do lado francês a situação é melhor. Para meu filhote Estudantack que deve adentrar o sistema escolar em um ano e pouco (aos 4 anos) estou considerando todas as opções, mas por enquanto, minha tendência é o privado. A diferença é que mesmo o privado é subsidiado pelo governo, então você não tem que vender a casa, o carro, a mãe e o papagaio para pagar as mensalidades. Uma escola muito chique e cara custa em torno de $500/mês, e vai ficando mais barato a cada ano, me disseram. No Brasil eu já ouvi falar de mensalidade de escolinha pré-maternal por R$1200/mês. Cruzes! Haja guache pra justificar uma criança de 2 anos usando esse dinheiro todo por mês.
Outro dia discutindo com um amigo chegamos a conclusão que a escola, enquanto instituição é só um complemento à educação da criança. Principalmente no ensino fundamental, o caráter dos pais, o exemplo e o ambiente proporcionado em casa fala mais forte, de modo que mesmo uma educação "fraca" pode gerar crianças brilhantes. Ninguém duvida que muitos expoentes surgiram dos meios mais inóspitos e muitas vezes, até sem alguma educação formal. Mas mesmo assim, podendo escolher, é difícil querer arriscar o futuro dos nossos serzinhos.

E vocês, o que acham disso tudo?

O projeto completo do Cristovam Buarque pra quem quiser saber mais.






4 comentários:

Thiago disse...

Enquanto a condição permite dar aos filhos algo melhor, why not?

E seu pai tinha toda a razão. Se não souber dar valor, deixe o lugar para quem sabe. Até funcionou a estratégia né?

E levante o dedo quem acha que essa proposta do CB não vai sair da gaveta de onde ela está! :-S

:)

Eneida disse...

...
Descobri seu blog através d outro.
Tenho sua permissão p passar, passear
e palpitar por aqui, às vezes?

...este tema ainda "dá mto mais pano p manga"... e mangas enormes!

Discutir escola pública X privada
é diferente de discutir o tema
educação X métodos de ensino, pois
há muitas escolas privadas que não
conseguem ensinar os valores básicos de cidadania... há escolas
públicas de periferia, dessas
conhecidas no "Capão City",
que insistem e persistem no ensino
de conteúdos e valores...

... ainda "dá mais pano p manga",
pois há pais que fazem mto por seus
filhos e estes fazem outras escolhas
na vida...

... mto pano...

bj bj

Josi disse...

Nossa Keiko, não conhecia esta lei e gostei pra caramba. Penso que se não vai no amor tem que ir na dor..rsrsrsrsrsrs com certeza este projeto vai mudar e mexer, mas será que ele consegue aprovação?
Enfim, como vc sou tão séria que nem vou comentar mais.
Fui

Fernanda disse...

Achei este projeto de lei ótimo! Bem eu sempre estudei em escolas públicas (exceto a faculdade) rsrsrs Não posso reclamar da educação que tive, pois sempre estudei em ótimas escolas (sou de São Bernardo do Campo, na grande SP). Na época (anos 80 e 90) a escola onde eu estudei (em um bairro de classe média) era melhor do que muitas escolas em SBC, mas hoje em dia está tão ruim quanto qualquer escola pública na Grande SP. Eu mesma se hoje tivesse filhos, não teria coragem de colocá-los na escola pública. Com certeza eu me esforçaria ao máximo para que eles pudessem ter uma boa edução. Em 2005 eu fiz um estágio na mesma escola onde estudei e fiquei muito triste de ver como o ensino lá regrediu: alunos que não querem saber de estudar e professores que pouco se importam com a situação. É claro que encontrei uma professora que fazia a parte dela, mas era a única dentre todo o grupo de professores. Infelizmente é isso o que aconte nas escolas públicas.

Abraços

Fernanda