10

Pra Creche...

Bastaram 5 ligações, 3 visitas surpresa com direito a apelo emocional (do tipo: a primeira coisa que eu fiz quando soube que estava grávida foi vir aqui, se eu não conseguir essa vaga pra ele vou ter que parar meu doutorado, nossa vida ficará em ruínas, será o fim de tudo - quase tudo verdade inclusive) e mais umas 3 ligações da mamãe pra confirmar que o nome de Princhuqueto estava onde deveria estar na lista de espera (isto é, registrado em Outubro de 2005 e não em Março de 2007 como estava constando), e eles se deram por vencidos e resolveram dar uma das três vagas disponíveis na creche da McGill pra ele. Ao insistente, a vaga, confirmou a ligação que recebi hoje. E ainda há quem diga que por essas bandas de cá tudo é muito organizado. Eu que sei. Primeiro foi o mestrado, tive que vir pessoalmente pra descobrir o porquê no atraso do meu processo e explicar que "Grau de Terapeuta Ocupacional" e " Título de Terapeuta Ocupacional" significavam a mesma coisa.

Não estou exatamente contentíssima com a ídéia de mandar meu pequerrucho, minusculeto, indefeso menininho com seus 2 dentes e meio pra creche (com alguma esperança até Setembro ele terá mais alguns dentes pra se defender melhor), mas não há muita saída para nós expatriados, sem vovó, sem vizinha (minha vizinha mais jovem deve ter uns 80 anos de idade) e é claro, sem babá (ou sem $70/dia para pagar uma X $7/dia na creche) por perto. Sem ter pra onde correr, se quiser mesmo terminar um dia esse doutorado, estou satisfeita de ter conseguido na insistência, uma vaga nesta que é tida como referência entre as creches daqui ou pra soar mais bonitinho e menos nazista : "Centro da Pequena Infância".

Semana que vem tem visita marcada pra inspecionar e perguntar tudo, e desde já, com 3 meses de antecedência, Mamãe Teto aqui começa a valorizar mais cada segundo com o novo Campeão de Alpinismo daqui de casa, uma dor no coração...


Você aí, tem coragem de deixar esse menininho na creche?

PS- Graças ao ao irmãozinho que está passando uns tempos aqui e praticamente me obrigou a isso, agora eu tenho até uma lista de links (que ainda não está completa porque pode até parecer que não, mas eu tenho outras coisas pra fazer da vida...), chique, não?!

10 comentários:

Marco disse...

Amiguinha, por favor, não introduza o assunto deste post com minha esposa, que chora pelos cantos a impossibilidade de ficar em casa o tempo todo...

Sandra e Evaldo Vicente disse...

Esaa Macgillenrolada eh uma coisa mesmo!
Coloca sim! Eles adoram!
So pensei em colocar os meus a partir dos 2 anos. Mas, aqui a coisa eh diferente...
Bem, fiquei SUPER interessada! Sera que tem uma dessas na Universidade de Laval?
Vamos pesquisar...

Suzi disse...

De vez em quando fico até feliz quando leio que algumas coisas também não funcionam, fora do BR. rs* A McGill já tem vários pontos nesse quesito; mas se cuida bem das criancinhas, ganha um ponto positivo. Vamos ver, depois da inspeção da Mamãe.

No nosso tempo, quando brincávamos na rua e desenvolvíamos toda a coordenação (fina e grossa) no meio da terra, da rua, e tal, creches e escolas de educação infantil eram desnecessárias. Mas hoje...
Seu pimpolho vai amar! Pense que é um presente que você está oferecendo a ele. Seu coração vai doer bem menos.
:o)

Boa sorte!!

Lilian disse...

Ai que chique mesmo os links, ou linques. Só um humilde pedido, vc pode botar um (e) depois do Mama no link do meu blog? É q é pra ficar "bilíngue" -- "mama" e "mamãe" juntos, daí o "Mama(e)" -- eu sei q é estranho, mas até q charmoso ;)

Ah, sobre o seu filhote e a creche, bom, minha amiga, se vc quer mesmo terminar esse doutorado, esse é o ÚNICO caminho a seguir, disto pode estar certa, e pra enfatizer ainda mais, e ser prá lá de redundante, isto eu te asseguro. As creches assim de universidade costumam ser ótimas, por aqui também.

já esse lance da organização/ desorganização, minha filha, o Canadá (não querendo desprezar, prometo, eu acho o Canadá ÓTIMO), não é os Estados Unidos... pode até parecer, mas não é. Organizado é esse país aqui... (na medida do possível). E não estou querendo puxar saco, porque tem muitas coisas por aqui q eu não concordo... mas, a organização realmente eu respeito.

Agora o outro lado da moeda eu entendo bem... pois eu não sei mesmo se teria coragem de botar meus preciosos filhotinhos num day care, tanto q eles continuam aqui em casa, graças aos avós maravilhosos e altruístas.

MAS, ano q vem eu vou atrás de trabalho, e se eu conseguir trabalho, o Kelvin vai ter q ir pra escola* e o Linton pro daycare. Mas pelo menos o Kel vai ter 6 anos e o Linton 4, menos mal...

*até nisso eu tou regulando... quero q ele fique em casa pro "Kindergarten" -- mas uma das razões pra isso é o fato que: a escola adventista fica muito longe, a outra razão é a minha dó dele ficar lá por tantas horas (8-3)com apenas 5 aninhos.

Keiko disse...

Marquito: Pois é, decisões duras da vida...

Sandra: Deve ter sim, mas geralmente a mãe e o pai devem estar estudando ou trabalhando em período integral pra poder colocar a criança (não necessariamente os 2 na universidade)

Suzi: É, menos rua, menos barro...mesmo assim acho que no caso é mais necessário pra mãe do que pra criança :-) Mas sim, olhar como como um presente dói menos, veremos...

Lilian: No fundo eu acho que você é que está certa, mas vamos testar assim pra ver.
Quanto ao nome do blog, pedido feito, pedido antendido, algo mais? :-)

Deby disse...

Eu acho q não teria coragem. Mas pelo jeito não tem escolha. Que Deus o proteja.
Percebi os links. Tah ficando chique isso aqui.
bjinho

Tiago Jokura disse...

Mais uma marquinha na agenda de Compromizack, hein...

Ah, e obrigado pela menção do meu blog moribundo na lista...

Claudia Japa disse...

Mamãe Keiko...essa fase é dureza! Eu coloquei minhas crias na escolinha quando eles já sabiam falar pelo menos o essencial para o relatório diário e oficial.
Pois a vontade era ser uma mosquinha e ver o que se passava por trás daquela porta...
Traumas de infância é o que mais fazem essas doidas que se dizem professoras, educadoras ou seiláoquê.
Ai, pára, eu não disse nada disso não! Vai dar tudo certo e Agente 2Dentinhoemeio-Jack vai se defender muito bem com suas armas secretas!

Inêssa disse...

Tags, links e definitivamente isso aqui virou ponto de referência na blogosfera! Como bernardo ainda tá na barriga e eu adoro que esteja assim, não sei como vai ser quando eu tiver que trablhar, o que vai acontecer logo, já que licença maternidade para profissional liberal só em pensamento. Parte boa: vovós, tias e esquadrão pra ajudar a tomar conta do pequeno. Coragem pra deixar na creche é difícil, mas sendo uma pessoa que foi pra creche cedinho myself, garanto que com trauma de infância a gente não fica.
Bjos.

Keiko disse...

Deby: Ter jeito tem, parar de estudar ou fazer o doutorado em uns 10 anos ao invés de 4...mas não acho nenhuma das duas muito boa...aliás, nenhuma das 3, vida difícil essa de mãe de hoje em dia. Só estou menos apavorada pq ter conseguido a vaga na creche foi por insistência, mas foi principalmente por muita oração. Expliquei pro Papai do Céu que eu queria muito conseguir essa vaga, mas só se fosse ser o melhor pro Princhuquinho, então se consegui, é pq é.

Ti: O blog é moribundo, mas eu sempre passo lá na esperança de uma ressureição, enquanto há vida ha esperança :-)

Claudia: aaaaa, Panico!!! hehe, pois é, já estou ensinando umas técnicas marciais básicas. Agora, cadê seu blog??? Eu volta e meia passava por lá quando precisava de uma inspiração pra tirar o traseiro do sofá e fazer alguma coisa...sumiu?

Inêssa: Que bom saber que vc deu certo mesmo indo pra creche, até virou dentista!!! :-) Mas nada como ter família por perto e a certeza de que os pequerruchos estão com gente que os ama tanto quanto nós...sorte do Bernardo!!