4

As pequenas coisas...

Hoje acordei pré-disposta a ter um dia péssimo. Primeiro porque quando eu levantei, chamada por um certo galo seresteiro que habita o quarto ao lado, eram 8h30 da madrugada e não meio-dia, como eu gostaria. Segundo porque nesta semana eu começo a primeira disciplina do doutorado, um curso de verão: "Structural Equation Modeling", o que? Você não sabe o que é isso? Nem eu. Com alguma esperança, dentro de uma semana eu vou saber, por enquanto só sei que é alguma coisa que tem a ver com a análise estatística da minha pesquisa e sobre a qual eu vou ter que dar uma aula pra todos os membros do meu laboratório depois do curso.

Como estatística é um assunto que me dá calafrios só de pronunciar, e este curso já não é nível "fraldão", lá fui eu procurar minhas falecidas, sepultadas e esquecidas anotações para revisar, semanas atrás. Não as encontrando no meu organizadíssimo armário, corri pra biblioteca a fim de achar algum livro que me desse uma luz, mas todos estavam emprestados e só seriam retornados neste semana. Peguei umas referências secundárias e decidi que o dia D estudar era hoje. Pois hoje, depois de acordar e alimentar o tal galinho, abri meus emails e lá estava o email da biblioteca dizendo que o livro que eu queria tinha sido devolvido.

Sem desculpas para dar a mim mesma para não ir de bicicleta buscar o livro já que o dia estava perfeitamente ensolarado, com céu azul e tudo e já que ontem eu tinha me atolado de fondue de chocolate, lá fui eu, praguejando e pedalando e seguindo a canção. Ao longo do caminho, aos poucos, a alegria foi invadido meu preguiçoso ser , transformando meu dia fadado ao fracasso em dia perfeito.

Pedalando pelas simpáticas ciclovias de Montreal, cruzei com várias pequenas coisas que me fazem sorrir. Muitas crianças, algumas pedalando suas minúsculas bicicletas com rodinhas, outras na cadeirinha presa a bicicleta dos pais (está na minha lista de compras), outras soltando bolhas de sabão ou correndo atrás de esquilos nos muitos parques que ficam no caminho entre minha casa e a universidade. Casais "de uma certa idade" andando de patins de mãos dadas, parque de cachorros, cheio de cachorros brincando, aspirador de pó gigante ( aqui ao invés de vassoura e pá, os "garis" vão passando pelas ruas e calçadas com uma espécie de carrinho, tipo carrinho de golf com um aspirador gigante acoplado, eu acho isso tão divertido! Já até pensei em arranjar um desse em miniatura pra Garizack limpar o chão que ele adora lamber por aqui, lúdico e útil ao mesmo tempo). Uma mulher grávida passeando pelo parque (o que me deu uma certa saudade, que seria mais forte se encontrassem uma forma de pular direto da fase grávida para a fase "com bebê", sem parto). Era tanta coisa pra ver que eu até esqueci do meu plano de gordinha de ir só até metade do caminho de bicicleta e a outra de metrô e quando me dei conta já estava lá (e não pensem que isso foi 15 minutos depois, não, não, 45 minutos no mínimo!)

Cheguei na biblioteca, peguei meu livro, e fui embora contente. Na volta aproveitei pra passar pela "grande biblioteca", a central de Montreal, só pra ver mais coisas que amo: livros e mais crianças escolhendo livros nas prateleiras e sentadinhas nos muitos puffs pra ler, assistindo DVDs, ouvindo histórias... Devolvi os livros que tinha pego uns tempos atrás, peguei mais 3 pra Literack, 1 pra mim, 2 CDs e segui meu caminho atlético e feliz. Seria mais feliz se não tivesse uma subida extenuante entre a biblioteca e minha casa, na qual vários velhinhos de 70 anos me passavam com facilidade. No ski eram as criancinhas de 4, agora são os velhinhos...esta minha vocação para os esportes...

Chego em casa e só de ouvir o barulho da porta outra criancinha feliz e minha surge se arrastando que nem um lagarto maluco chamando "mamama" com um sorrisão na cara. A dose de alegria foi tão alta que até agora não consegui sentar pra estudar a dita cuja da estatística, mas uma hora a gente tem que encarar, mesmo que essa hora seja duas da manhã. Tudo bem, não são umas formulinhas e uns numeruzinhos bestas e incompreensíveis que vão dissipar meus inúmeros momentos alegres do dia.

Boa semana pra vocês, com uma estatística de muitas pequenas coisas felizes!

4 comentários:

Deby disse...

Ontem 2 pequenas "coisas" me fizeram sorrir o dia todo: minhas priminhas lindas.
Isso faz a gente esquecer o mundo, né?
uma semana cheia de sabedoria do nosso Deus pra vc.
bjinho

Lilian disse...

Menina do céu, realmente ""Structural Equation Modeling" soa para mim como um bicho enorme de 7 cabeças. Nem de estatística entendo bolufas, obviamente, e a coisa mais engraçada é q inclusive eu tenho umas análises levemente estatísticas na minha dissertação...

Bom, que o Papai do Céu dê-lhe muita sabedoria neste verão, amiga!

Claudia Japa disse...

Keikosam, que delicia de post. Passeamos contigo pela ciclovia, vendo as mesmas coisas que vc viu, de tão perfeita e gostosa a descrição.
E o pequeno lagarto maluco? Perfeito!
A vida é bela, né? Basta querer enxergar!
Super beijo e uma ótima semana com muitos posts-passeios como esse!

Juliana disse...

Oi Keiko! Partilhar do seu dia fez o meu também melhor!
É bom quando a gente consegue olhar a beleza das coisas lindas que estão à nossa volta prontas para serem admiradas!
Grande beijo e bons estudos!
Juliana.